Dentro da Game Room para a semana wildcard (2013)

Nesta semana, no Dentro da Game Room, quando os riscos são maiores que os benefícios com um QB de futuro.

Apesar de ter sido o jogo que menos me interessava este fim-de-semana, à medida que agora nos aproximamos do final a época, começamos a ter pena que haja cada vez menos jogos para ver. Como fã dos Cowboys é minha “obrigação” detestar (detestar desportivamente, claro) os Redskins, e a equipa de Seattle não é uma equipa que me diga muita coisa.

Mas até eu que não estava muito empenhado a ver o jogo, durante a segunda parte não parava de me perguntar o porque do treinador dos Redskins, Mike Shanahan não colocava em jogo o quarterback suplente da equipa, Kirk Cousins quando era claríssimo Robert Griffin III estava aflito do joelho.

Foi preciso RGIII torcer o joelho de uma forma aparatosa quando tentava recuperar uma má passagem de bola do seu centro, onde a bola ficou perto dos seus pés, e a “relva” do FedEx Field ajudou ao pé ficar preso, para finalmente sair de jogo. Já foi tarde, e depois de ter passado parte do jogo a fugir da linha defensiva de Seattle, com algumas placagens à mistura.

rg

A Liga esteve num burburinho porque no jogo contra Baltimore, RGIII voltou ao jogo depois de ter lesionado o joelho, numa “novela” algo estranha, que envolveu o famoso médico Dr. James Andrews, um não diagnostico, ou uma não conversa, ou uma falha de comunicação qualquer entre o médico e o treinador principal.

De qualquer forma RGIII estava mesmo lesionado, tanto que foi Cousins que jogou na semana a seguir, inclusivamente ganhando o jogo contra os Browns. A pergunta é, poderá a organização dos Redskins ter apressado o QB a voltar à competição cedo demais? É verdade que RGIII foi instrumental na vitória contra os Cowboys, dando assim o apuramento aos Redskins. Mas era claro que Griffen não estava a 100%

Shanahan disse na conferência de imprensa que em conversa com o seu QB, este último disse que “não estava lesionado, apenas magoado”. Pelas palavras de Shanahan, RGIII disse-lhe que “eu estou magoado neste momento, mas dê-me uma oportunidade de ganhar o jogo, porque garanto-lhe que não estou lesionado.”

Apesar de todas estes “sinais preocupantes” (RGIII vir de uma lesão, não estar a 100%, durante o jogo estar a jogar claramente diminuído) Shanahan resolveu continuar com o seu QB em campo. A mobilidade de Griffin começou claramente a diminuir, não conseguia usar as pernas para fazer lançamentos, e até numa das corridas para a linha lateral viu-se claramente como coxeava.

A decisão de Shanahan irá ser (muito) discutida na off season. Cousins era uma opção, e o treinador não quis apostar nela, e preferiu manter um jogador lesionado em campo sob risco de agravar ainda mais a lesão. Até o próprio RGIII disse que “mantendo-se em campo, aumentava o risco de piorar a lesão, mas quando se entra em campo, estamos a nós colocar em risco, a nossa vida, a nossa carreira, os nossos ligamentos.”

De uma forma profética, a ressonância magnética mostra que o QB têm roturas parciais tanto no ligamento anterior, assim como do lateral.

Que RGIII quisesse se manter em campo, essa é a resposta normal de um jogador, que pensa em jogar e que acha que é indestrutível (ainda por cima com a idade que tem), mas faz parte da organização, e principalmente do corpo de treinadores, pensar no futuro da organização e proteger aquele que é a face da equipa, assim como o futuro competitivo da organização.

Advertisements

3 comments on “Dentro da Game Room para a semana wildcard (2013)

  1. Sou suspeito, Ricardo Silvestre, pois como sabes sou adepto dos Redskins, mas considero que neste caso houve, da parte dos responsáveis do clube, a opção por um mal menor, que em última análise nos deu o título da divisão NFC East… Claro que sou da opinião que não se deveria esconder a gravidade da lesão de Robert Griffin III…
    Há muito dinheiro envolvido na liga e isso pode explicar, em parte o que aconteceu. Os responsáveis pelos Redskins sabem que agora RG III tem muito tempo para recuperar o joelho, que segundo ouvi da parte de alguns comentadores e especialistas norte-americanos – eu é que não percebo nada disso -, não é das mais graves lesões a que um jogador da NFL pode estar sujeito.

  2. A mim deveriam ter tirado o RG3 no momento que fizeram o 14-0, quando começou a coxear, notava-se que algo não estava bem. Os responsáveis da equipa têm de ponderar as acções que escolhem e a escolha era simples… Manter ele em campo até não aguentar, que é sinónimo até arrebentar o joelho ou então meter o suplente e rezar que não seja derrotado. Fosse eu, preferia perder o jogo do playoff que perder um Franchise QB por quase 8 meses.

    O jogo dos playoff pode valer milhões à equipa, mas será que perder um Franchise QB não é o sinónimo disso? Os maiores derrotados dos playoffs foram eles próprios Redskins com a dupla derrota, para alem da derrota com os Seahawks, perdem um QB de futuro por um longo período.

  3. e vá lá que os redskins já foram eliminados porque senão bem iria haver confusão da grossa durante esta semana… penso que o rg3 devia ter saído, era demais evidente as dificuldades que tinha quer para correr quer também na mecânica de lançamento ao apoiar a perna, ou ao rodá-la ou usando para impulsionar o corpo ele simplesmente não conseguia fazer nada disto… a ver se re não foram longe demais e agora não ficaram com um jogador mal recuperado o que o pode tornar muito mais propenso ainda ás lesões (ou então que tenha de alterar o seu tipo de jogo no futuro, correndo menos…)

    queria só comentar algo dos cowboys, mais uma vez, agora lembraram-se de despedir o rob ryan… ou seja despedir a única coisa que funcionava regularmente e querer atirar as culpas para ele é do mais absurdo mas enfim… uma das melhores defesas da competição em todas as estatisticas quando todos os jogadores estavam disponiveis, que não quebrou por aí além mesmo com 6 ou 7 jogadores suplentes e outros que nunca ouvi falar (devido a muitas lesões) e que andava constantemente em campo devido aos muito turnovers do ataque e que ainda assim muitas vezes aguentava o ataque adversário mantendo jogos na linha esperando que o d.sebastião (tony romo) aparecesse e ganha-se jogos…

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s