Dentro da Game Room para a semana 2(2013)

Esta semana, quando “calma” pode ser uma boa opção quando se está no ataque.

Por esta altura toda a gente já disse alguma coisa sobre a “blur offense” dos Eagles, e o quanto pode “revolucionar” a Liga (e todas esses excessos normais em situações destas).

A coisa explica-se facilmente, a equipa ofensiva dos Eagles vai rapidamente para o line of scrimage, assume o “pacote ofensivo” programado para situações iguais às que se encontram, mal a bola está disponível iniciam a jogada, executam as funções ofensivas, Vick liberta-se da bola o mais cedo que puder para o jogador em melhor posição.

A juntar a isso o facto dos Eagles puderem correr “read options”, “bubble screens” , “stick routs”, formações em pistol, shotgun, tradicionais, TE slants, e o “diabo a 4”.

A ideia é ser-se rápido no ataque, aproveitando para criar cansaço, e sobretudo, desorientação nas defesas adversárias. No entanto, e vai acontecer seguramente muitas mais vezes, a ansia de Chip Kelley e da sua equipa de ser-se “rápido” pode trazer dissabores.

Case in point, este domingo com os Eagles a perderem por 30-27, o ataque chegou às 14 jardas de San Diego. Com 2:09 para o final do jogo, Vick iniciou a jogada, no lugar de esperar pelo desconto de tempo tradicional do “two minute warning” e fez um passe incompleto. Com o passe incompleto o relógio parou com 2:03. Na jogada a seguir, e com o substituto Nick Foles em campo, outro passe incompleto. De repente, em 6 segundos a equipa ficou com um 3º down. Com o relógio parado por causa do two minute warning, Vick (que entretanto tinha voltado ao jogo) teve outro passe incompleto. Field Goal (FG) para empatar o jogo, mas quase dois minutos ficaram no relógio. Resultado, tempo de sobre para Philip Rivers (que estava a ter uma tarde muito boa contra a defesa dos Eagles) levar a sua equipa até a um alcance para Nick Novak dar a vitória aos Chargers.

Se os Eagles tivessem deixado escoar o relógio, mesmo que fossem só para marcar um FG para empatar o jogo, não deixariam tanto tempo no relógio para os adversários ainda terem um drive completo de ataque. Kelly defendeu a decisão dizendo que “nos queríamos marcar um TD e com isso colocar 4 pontos de diferença no marcador, no lugar de jogar para empatar”.

kelley

Pode ser verdade. E é verdade, como diz o nosso “amigo” Eaterbrook, o treinador que desafia a sua equipa para ganhar está a dizer aos jogadores que confia neles, e estes vão responder ao desafio. Mas por outro lado, e como se diz no fabuloso filme Clube dos Poetas Mortos, “sucar o tutano da vida, não significa engasgarmo-nos com o osso”. Se calhar um pouco mais de… calma, pode ser uma boa opção.

Advertisements

2 comments on “Dentro da Game Room para a semana 2(2013)

    • Olá João,

      Os preços variam muito em função de factores como: a qualidade da equipa da casa, bem como a qualidade da equipa visitante e o preço mínimo por bilhete definido por cada uma das 32 equipas da NFL para o seu estádio. Por exemplo para os jogos desta semana (semana 3), os bilhetes mais baratos são para o último nível do estádio dos Titans por 38.82$USD já com taxas incluídas, e os mais caros são para os Club Seats no jogo entre Bills e Jets em New York no MetLife Stadium por 733$USD. Curiosamente o jogo com as maiores variações é o jogo em casa dos Redskins onde os preços variam dos 44.40$USD e os 623.95$USD. Em média podemos dizer que para lugares decentes para se ver um jogo da NFL os preços andaram entre os 80 a 90$USD e os 150 a 160$USD.

      O site oficial para compra de bilhetes da NFL é este: http://www.ticketmaster.com e aí estão todas estas informações sobre bilhetes.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s