Dentro da Press Room…versão Diário de Notícias????

Só o Presidente Trump para termos a NFL num dos diários de referência em Portugal (pelo menos sem ser para o Super Bowl)

DN

Um artigo de Rui Frias

Diário de Notícias

 

Advertisements

Hoje a culpa não é nossa!!

Olá a todos.

Já foram votar? Exerçam os vossos direitos Constitucionalmente garantidos.

Agora vem a pior parte.

Hoje não vamos tornar a estar em direto com os espectadores da Sporttv. Só que desta vez a culpa (parcial) não é nossa. Nós, Pedro e Ricardo, pedimos para ser transmitido o jogo Filadélfia vs Los Angeles Chargers, porque era às 21:25, e estava marcado como tal tanto na listagem de jogos enviadas pela distribuidora, como inclusive se podia ver no site da NFL.

O jogo foi atencipado para as 21:05h, e continuamos a não saber porquê. Poderá ter a ver com o último dia da época regular da MLB?

nfl

Para o pessoal que gosta de ver o jogo na Sporttv, e estarem em contacto connosco, podem o fazer à mesma que depois dizemos os vossos e-mails e tweets no ar.

O e-mail é nfl@sporttv.pt

e estamos no #NFLnaSPORTTV para quem prefere o Twitter.

E novamente, as nossas desculpas, por não entrarmos em directo nos jogos das 21:25h (bola, bola, bola), e desta vez por estarmos novamente em diferido esta noite.

 

Dentro da Press Room, Week3-2017

O futuro da NFL, e de todo o futebol Americano, desde os profissionais até ao ensino secundário (e passando pelas Ligas à volta do mundo, sim até mesmo a Portuguesa) está em risco.

É prudente, para a própria sobrevivência do desporto, ou pelo menos como ele é neste momento, que os agentes desportivos à volta desta modalidade estejam atentos a isso. Cada vez há mais informação, cientificamente comprovada, socialmente entendida, desportivamente preocupante, que a prática de futebol Americano pode aumentar o risco de graves doenças, e problemas físicos.

denver

Ainda mais, quando nos Estados Unidos, pela natureza da cultura e do sistema jurídico, a questões legais, principalmente de compensações financeiras por danos provocados, são enormes e prementes. Todos sabemos o quanto a NFL tem que se preocupar com pagamentos compensatórios a antigos atletas, que estão em tribunal para exigir à Liga que ajude a manter a qualidade de vida pós carreira.

E o que faz o Presidente dos Estados Unidos?

Diz que o futebol Americano está a ficar “mole” e que assim “arruína o jogo”.
“As audiências da NFL estão a descer massivamente [o que não é verdade]. Porque sabem, hoje em dia se fizerem uma placagem com alguma força: 15 jardas. E expulsão do jogo.”
“Estão a arruinar o jogo. É o que eles querem fazer. (os jogadores) Querem fazer placagens (e a Liga não deixa). Eles estão a fazer mal ao jogo.”

Portanto, a principal mensagem do Presidente é que, o jogo precisa de ser mais violento para continuar a manter o interesse dos espectadores.

Isto na mesma semana que se descobriu que Aaron Hernandez tinha estágio 3 (de4) de encefalopatia degenerativa cronica…com 27 anos de idade.

As medidas da NFL para impedir colisões a grande velocidade usando o capacete, ou tendo como alvo a cabeça do adversário foram um acrescento importante para o jogo, assim como a regra de não se poder placar um jogador “indefeso”. Estas regras começaram a ser também implementadas na NCAA e em Ligas de Escolas Secundárias.

Estas medidas servem para proteger os jogadores, proteger o desporto, e em certa parte proteger os espectadores. Só os mais sanguinários é que podem ver um jogador a cambalear, ou a ficar imóvel no campo, depois de uma placagem onde lhe bateram na cabeça e pensar que “isto é que é bom!”. Essas pessoas já não têm (ou não deviam ter) um lugar na discussão do que é melhor para o desporto.

irvin

O Presidente Theodore Roosevelt também acreditava que os jogos deviam ser “duros”, jogados por “homens duros.” Em 1905, lesões gravíssimas a que se juntaram episódios de mortes em campos de futebol Americano, fez com que o Presidente ordenasse uma comissão para melhorar o jogo e não o tornar tão violento. O gesto técnico de passe foi introduzido, assim como certas formações no ataque e na defesa foram banidos. O jogo tornou-se mais seguro, e muito mais interessante.

1905

Em 2017, e como tem sido com muitas outras coisas desde que foi eleito, o Presidente Trump que fazer a América “ser grande novamente”, quando os jogadores da NFL eram expostos a situações evitáveis, quando eram atingidos brutalmente sem qualquer proteção, ou quando um jogador ficava afectado por uma placagem tinha era que voltar para o campo se não era considerado como fraco.

Esses dias estão ultrapassados, felizmente, assim como um dia o Presidente Trump será uma má memória para todos aqueles que se preocupam com o progresso civilizacional e com a proteção de todas os participantes no desporto que tanto gostamos.

USsportsEmPT, apresentação oficial

Olá a todos os seguidores do NFLemPT

Como têm reparado nas últimas semanas, temos estado a construir um novo projecto com a intenção de criar um espaço para se falar de Desporto Americano em Português de Portugal.

A equipa conta com vários nomes, alguns deles conhecidos por serem também comentadores televisivos, e que irão aparecendo regularmente no programa.

Se puderem ajudar na divulgação, agradecemos muito, e assim podemos provar à imprensa, tanto escrita como televisiva, que há mercado nesta área, e com isso pode haver ainda mais conteúdos como estes disponíveis em Portugal

Fica aqui o link no Facebook para seguirem a página

E no YouTube façam subscribe

ussportsemptfbussportsemptut

Um alerta e um pedido

Olá a todos

Este post serve (dentro do possível) para justificar o facto de começarmos hoje o jogo da NFL na Sporttv…com 40 minutos de atraso.

É nossa opção (Ricardo e Pedro) passar o máximo possível de equipas e jogos que prometam ser competitivos.

Para este domingo, a empresa que detém os direitos da NFL ofereceu um conjunto de jogos onde, ou passávamos equipas que já vimos esta época, ou onde os jogos prometem ser desequilibrados.

Como tal, a nossa aposta foi em Titans vs Seahawks.

titans

E como por esta altura já é evidente o suficiente, os jogos da NFL não vão começar em directo se houver jogos de futebol que preencham a slot das 20h.

Quanto a isso, vale a pena dizer mais uma vez que são os assinantes que têm que mostrar o desagrado por esse facto, uma vez que nós não conseguimos influenciar a Sporttv para essa política ser alterada. Podem entrar em contacto com o canal através do site

https://www.sporttv.pt/contactos/

ou no Twitter em

@SPORTTVPortugal

Como tal, preferimos escolher este jogo, mesmo sabendo que isso implica, neste jogo, não estarmos em directo com vocês, e a ler os vossos tweets e e-mails.

Nós sabemos que é (muito) aborrecido para os seguidores da NFL na Sporttv, mas espero que estejam connosco à mesma.

Quanto ao pedido, quando forem 6pm irei (Ricardo) colocar um post onde vou pedir a vossa ajuda para promover um novo projecto que temos, que por esta altura já conhecem, mas onde há mais novidades!

 

logoFBcomtagparapisem

Dentro da Press Room, Week2-2017

Neste domingo tivemos algo na NFL que não costuma acontecer muitas vezes. a oferta da mesma experiência, mas de duas maneiras radicalmente diferentes.

E sim, já que tenho (Ricardo Silvestre) a fama de gostar muito de arquitetura desportiva, que tal ter também o proveito?

Apesar de ser apresentada como uma solução temporária, uma vez que o estádio projetado para receber os Chargers e os Rams irá competir com todas as restantes megalomanias que tem sido os últimos estádios a serem construídos na NFL, o StubHub teve o mérito de colocar a interrogação, mesmo que muito ao de leve, sobre a eventualidade do futebol Americano (nos Estados Unidos) começar a migrar para estádios mais pequenos e mais ao molde Europeu.

SHS

Numa Liga onde se fala cada vez mais da diminuição de espectadores, onde se tem visto estádios “meio-cheios” (às vezes menos que isso), com as suites de luxo a arredar os fãs mais dedicados para os terceiros anéis, onde os espectadores se queixam de ser colocados, pelo menos assim parece ser, “a quilómetros” do campo, tem deixado de haver o “factor casa”. O que é o contrário do que se observa num estádio tradicional de futebol.

chargersentry

O exemplo inglês da Primeire League tem sido aquele que mais atenção tem despertado nos Estados Unidos, principalmente pelo aumento de popularidade do campeonato a nível televisivo. Nada mais espectacular do que ver um golo a acontecer, com os jogadores, a poucos metros dos adeptos, com todos a festejarem efusivamente, num momento de partilha, demonstrativo do que deve ser o desporto. A “experiência” de um jogo da NFL no novo White Heart Lane poderá ajudara a fazer argumento que essa é uma opção viável.

Já no outro lado do espectro, esta semana também se viu os fãs dos Falcons a vibrarem com a sua equipa, com a felicidade de estarem em mais uma “catedral” de desporto, com o barulho que vem das bancadas para o campo. Assim, percebe-se que um modelo não invalida o outro. necessariamente. Se se trata de “densidade” dos adeptos, e do seu apoio, podemos ter o mesmo impacto num Mercedez Stadium como num StubHub.

MBS

A pergunta que procura uma resposta é, qual o modelo de estádio para o espectador que procura a melhor experiência desportiva, com o máximo de conforto possível?

Longe vai o tempo onde ir ver um jogo da NFL era uma prova de resiliência, de dedicação, de estoicismo. Agora, quer-se chegar ao estádio sem filas, voltar a casa o mais rápido possível, ter Wi-fi e écrans gigantes, múltiplas opções para comer e beber, e lounges de luxo para socializar.

A solução pode voltar a ser ter a de ter um adepto num ambiente mais intimista, mais genuíno, mais “desportivo”, do que em grandes estádios, onde se sente a impessoalidade do espaço, onde se está longe da ação, onde não se experimenta umas quantas horas da “nossa tribo”, em oposição à “outra tribo”, onde queremos que a nossa ganhe, e que tenhamos a sensação que o nosso apoio fez a diferença.

E estar num estádio onde parece que estamos numa ilha, rodeado de cadeiras vazias, não é um modelo sustentável.

RAMS

Numa NFL na constante procura de novas soluções, vamos ver para onde tende a balança num futuro próximo.